TOPO
VIOLÊNCIA SEXUAL NA ADOLESCÊNCIA: QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? - Perspectivas
fade
5075
single,single-post,postid-5075,single-format-standard,eltd-core-1.0,perspectivas alto grau-ver-1.0,,eltd-smooth-page-transitions,ajax,eltd-grid-1300,eltd-blog-installed,page-template-blog-standard,eltd-header-vertical,eltd-sticky-header-on-scroll-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-dropdown-default,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

VIOLÊNCIA SEXUAL NA ADOLESCÊNCIA: QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS?

Luan Salguero de Aguiar (1)

Carmen Sílvia Molleis Galego Miziara (2)

(1) Discente do curso de medicina da Faculdade de Medicina do ABC (FMABC) – email: luan.salguero@hotmail.com

(2) Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) e especialista em Medicina Legal e Perícias Médicas pela Associação Brasileira de Medicina Legal e Perícias Médicas. – email:

carmen.miziara@hc.fm.usp.br

RESUMO

Introdução: A adolescência, período de transição da infância para a fase adulta, é caracterizada por grandes transformações, tanto físicas quanto psicológicas, que definirão o indivíduo para toda a vida. No entanto, eventos externos, como a violência sexual, podem influenciar negativamente a construção da personalidade e, dessa forma, comprometer sua qualidade de vida quando adulto.

Metodologia: Esse trabalho procurou descrever os impactos causados pela violência sexual durante a adolescência em universitários, a partir das análises estatísticas comparativas dos resultados obtidos pela aplicação de quatro questionários validados a estudantes universitários com e sem história pregressa de violência: Caracterização da Violência; Critério de Classificação Econômica do Brasil; Inventário de Depressão e Ansiedade de Beck; e Qualidade de Vida SF-36.

Marco conceitual: Maus tratos contra a criança e adolescente é um problema de saúde pública, sendo a violência sexual a que mais desponta nesse cenário, no qual o Brasil é um dos países com as maiores taxas.

Resultados: foram avaliadas expostas de 176 participantes, divididos em dois grupos: controle (GC) com 91 participantes sem história pregressa de violência na adolescência; e estudo (GE), com 85 participantes que foram vítimas de violência sexual na adolescência, sendo este predominantemente composto por público feminino. Quanto à distribuição do grau de proximidade da vítima com o agressor, a maioria aponta como sendo alguém desconhecido, seguido por familiar, colega de ambiente de trabalho e namorado(a). A análise estatística mostrou diferenças significativas nos níveis de qualidade de vida e presença de transtornos de humor entre os dois grupos avaliados. Os aspectos com piores escores foram: depressão e ansiedade; na qualidade dos aspectos sociais; e nos níveis emocionais. Assim, vê-se as repercussões negativas provocadas pela violência sexual, que permanecessem no indivíduo ao longo da vida.

Conclusão: Na população pesquisada, as análises demonstram que adolescentes vítimas de violência sexual evoluem com transtornos psíquicos sintomáticos de ansiedade e depressão e com baixos níveis de qualidade de vida, principalmente aqueles de caráter psicoemocional, como a qualidade dos aspectos sociais e os níveis emocionais.

Artigo impresso em: 2019-05-23 13:46:48


 
  1. Estatuto da criança e do adolescente - Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Brasília. DOU 16.7.1990 e retificado em 27.9.1990.
  2. WRIGBT, E. M.; FAGAN, A. A.; PINCHEVSKY, G. M. The effects of exposure to violence and victimization across life domains on adolescent substance Child Abuse Negl; 2013, 37(11), p. 899-909.
  3. CECIL, C. A. M.; VIDING, E.; BARKER, E. D.; GUINEY, J.; MCCRORY, E. J. Double disadvantage: the influence of childhood maltreatment and community violence exposure on adolescent mental health. J Child Psychol Psych; 2014, 55(7), p. 839-48.
  4. HWANG, J.; KIM, H.; CHOI, S.; LEE, H.; KIM, B. Impact of trauma due to sexual violence on psychopathology and quality of life in children and adolescents. Eur Child Adolesc Psychiatry; 2015, 24(Suppl 1), p. S201–S202.
Luan Salguero de Aguiar

Carmen Silvia Molleis Galego Miziara



ABMLPM - Associação Brasileira de Medicina Legal e Perícias Médicas - afiliada à AMB
Escritório Administrativo - Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278 – 7º andar – Bela Vista
São Paulo – SP – CEP: 01318-901
Fone: (11) 3101-5994 / Celular: (11) 9.7403-4818 (operadora Vivo)

42