TOPO
PROTOCOLO DE ISTAMBUL COMO INSTRUMENTO DE INVESTIGAÇÃO PERICIAL - Perspectivas
fade
5505
post-template-default,single,single-post,postid-5505,single-format-standard,eltd-core-1.0,perspectivas alto grau-ver-1.0,,eltd-smooth-page-transitions,ajax,eltd-grid-1300,eltd-blog-installed,page-template-blog-standard,eltd-header-vertical,eltd-sticky-header-on-scroll-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-dropdown-default,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

PROTOCOLO DE ISTAMBUL COMO INSTRUMENTO DE INVESTIGAÇÃO PERICIAL

INTRODUÇÃO

As Nações Unidas há anos lutam para assegurar que nenhuma pessoa seja submetida à tortura ou a outras penas, tratamento desumano ou cruel. Documentos variados, adotados pelos países signatários, reforçam o posicionamento de que a tortura, sem exceções, não deve ser admitida. Para avaliar e documentar de forma padronizada as provas desse crime, há o Protocolo de Istambul (PI).

METODOLOGIA

Revisão de literatura. A base de dados utilizada foi PubMed com os descritores “torture and Istanbul Protocol”.

MARCO CONCEITUAL

Defronte de peculiaridades de cada região do mundo e da diversidade de sistemas jurídicos existentes, residem grandes dificuldades em documentar de forma clara e inequívoca as provas de tortura. Muitos países encontram impedimentos na captação dessas informações devido a questões políticas, econômicas ou estruturais. A documentação eficaz da tortura tem sido um grande desafio mundial e a implementação do PI objetiva aperfeiçoar os registros.

RESULTADOS

Foram selecionados 33 artigos científicos publicados entre 1999 e 2018. Todos os artigos se relacionavam com o Protocolo de Istambul para a abordagem do assunto ou coleta de dados. A anamnese detalhada em associação ao exame físico (lesão corporal), sobretudo na correlação das lesões com o mecanismo do trauma referido pela vítima ou pela autoridade policial, são elementos fundamentais para a elaboração final do parecer. Fato que deve ser considerado na avaliação médico-pericial são as sequelas decorrentes da tortura, caracterizadas fundamentalmente por síndromes dolorosas crônicas e transtornos psíquicos.

CONCLUSÃO

Existe notório reconhecimento internacional da relevância do Protocolo de Istambul, bem como são comuns muitas das dificuldades em sua implementação. Frequentemente, foram lembrados aspectos relacionados à falta de qualificação profissional, que impacta diretamente na qualidade da documentação sugerida pelo PI. O PI não é considerado apenas um documento de orientações, seu objetivo vai muito além. Trata-se de um plano de ação e de conscientização da importância internacional da abordagem responsável do tema. Sua aplicação permite abrangência na prevenção, reabilitação e na punição de agressores.

 



BIBLIOGRAFIA

  1. ONUBr. ONU diz que prática da tortura é “absolutamente inaceitável e nunca poderá ser justificada”. [Citado em 15 dez. 2018]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/onu-diz-que-pratica-da-tortura-e-absolutamente-inaceitavel-e-nunca-podera-ser-justificada/
  2. Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Protocolo de Istambul, Série de Formação Profissional n° 08 Manual para a Investigação e Documentação Eficazes da Tortura e Outras Penas ou Tratamentos Cruéis, Desumanos ou Degradantes. Nações Unidas. Nova Iorque, Genebra; 2001.
Admin Indexa

Avatar

Traduzir esta página para:



ABMLPM - Associação Brasileira de Medicina Legal e Perícias Médicas - afiliada à AMB
Escritório Administrativo - Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278 – 7º andar – Bela Vista
São Paulo – SP – CEP: 01318-901
Fone: (11) 3101-5994 / Celular: (11) 9.7403-4818 (operadora Vivo)

2