TOPO
O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTÍCIAS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: REVISÃO DE LITERATURA - Perspectivas em Medicina Legal e Perícias Médicas
fade
5493
post-template-default,single,single-post,postid-5493,single-format-standard,eltd-core-1.0,perspectivas alto grau-ver-1.0,,eltd-smooth-page-transitions,ajax,eltd-grid-1300,eltd-blog-installed,page-template-blog-standard,eltd-header-vertical,eltd-sticky-header-on-scroll-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-dropdown-default,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Translate this post to:

O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTÍCIAS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: REVISÃO DE LITERATURA

Victória Cassioti Teodoro (1)
Luan Salguero de Aguiar (2)
Camila Fernandes Romeiro (3)
Carmen Silvia Molleis Galego Miziara (4)  

 

1 Discente do curso de Medicina da Faculdade de Medicina do ABC (FMABC), email: victoriacassioti@gmail.com

2 Discente do curso de Medicina da Faculdade de Medicina do ABC (FMABC), email: luan.salguero@gmail.com

3 Discente do curso de Medicina da Faculdade de Medicina do ABC (FMABC), email: cfromeiro@hotmail.com

4 Professora do curso de Especialização em Medicina Legal e Perícia Médica da FMUSP, email: carmen.miziara@hc.fm.usp.br

 

INTRODUÇÃO

Má notícia é definida como uma informação que, quando percebida, causa desequilíbrio emocional por longo período, afetando o indivíduo que a recebe, seus familiares, amigos e, no contexto médico, os profissionais da saúde. Dessa forma, o presente trabalho se propõe a mostrar as principais dificuldades, preferências e dilemas em comunicar a má notícia para pacientes pediátricos.

MÉTODOS

Revisão de literatura na base de dados PubMed, com os descritores Truth Disclosure, Communication, Pediatrics, Adolescent e Child nos últimos cinco anos. Foram incluídos textos na íntegra que continham no título e/ou abstract palavras relativas ao tema. Foram excluídos trabalhos específicos a uma determinada doença, com exceção do câncer.

MARCO CONCEITUAL

A falta de estudos e a padronização a respeito de más notícias para pacientes pediátricos demonstram a carência de estudos a respeito do tema.

RESULTADO

Foram encontrados 11 artigos e, após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, foram selecionados quatro, dos quais um versava sobre aspectos éticos sobre a dispensação da notícia ao paciente pediátrico e três sobre preferências da comunicação da má notícia conforme visão dos pais, médicos e pacientes – sendo dois no modelo de entrevista e um de questionário.

CONCLUSÃO

Todos os artigos enfatizam a escassez de trabalhos sobre o tema de más notícias na faixa pediátrica. Existem guidelines com recomendações sobre o assunto confirmadas pelas preferências dos pais e pacientes publicadas em outros estudos científicos. Dentre elas, foi pontuado o fato de não esconder o diagnóstico, envolver a criança ou adolescente nas decisões a respeito da sua doença sem que isso comprometa o tratamento, dar tempo suficiente para a assimilação das informações, entre outras. Além disso, são citadas razões éticas para não esconder uma má notícia da criança ou adolescente: o respeito à sua autonomia; o fortalecimento da relação médico paciente e a melhora da qualidade de vida na medida em que se diminui medo e ansiedade. Assim, a falta de padronização e métodos que abordem o tema da comunicação da má notícia na pediatria promove uma heterogeneidade no processo. Isso pode prejudicar os pacientes e familiares envolvidos na medida em que questões éticas não são respeitadas.

 

 



REFERÊNCIAS

1.Fallowfield L, Jenkins V. Communicating sad, bad, and difficult news in medicine. Lancet. 2004:363(9405); p312-319.

2.Contro N, Larson J, Scofield S, Sourkes B, Cohen H. Family Perspectives on the Quality of Pediatric Palliative Care. Arch Pediatr Adolesc Med. 2002:156(1); p14-19.

3.Leite AM, Caprara A, Coelho Filho JM. Habilidades de comunicação com pacientes e famílias. São Paulo: Sarvier; 2007.

Luan Salguero de Aguiar

Lattes CNPQ: 4780070112183042

Avatar
Camila Fernandes Romeiro

Avatar
Carmen Silvia Molleis Galego Miziara

Lattes CNPQ: 6916238042273197

Avatar
Victoria Cassioti Teodoro

Avatar


ABMLPM - Associação Brasileira de Medicina Legal e Perícias Médicas - afiliada à AMB
Escritório Administrativo - Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278 – 7º andar – Bela Vista
São Paulo – SP – CEP: 01318-901
Fone: (11) 3101-5994 / Celular: (11) 9.7403-4818 (operadora Vivo)

3770